Redes Sociais...Você sabe usá-las?

Olá!!

Com tudo o que vem acontecendo na mídia estes últimos dias, fico refletindo sobre como utilizamos esse Sistema Global de Redes ( Internet).



Várias são as notícias divulgadas, como por exemplo: o atentado que a apresentadora Ana Hickman sofreu de um fã; o estupro coletivo de uma adolescente de dezesseis anos por trinta e três homens e a proposta de uma cantora gospel para que seus seguidores boicotassem a campanha da C&A por causa de sua última campanha publicitária.

Enfim, são só exemplos da enxurrada de notícias e fatos que diariamente recebemos da Internet, principalmente espalhados pelas redes sociais. 

Isso me chama a atenção para a forma em que utilizamos esses meios, não digo da exposição, mas sim do que somos capazes de expor, e quem é capaz de dar audiência a certos assuntos divulgados.

Vou explicar:

No caso Ana Hickman, um fã entrou no quarto em que ela estava hospedada, colocando- a juntamente com outras pessoas em posição de refém, baseado em um amor alienado, onde em sua mente, ela se dirigia a ele com suas postagens nas redes sociais. Em algum momento o rapaz se sentiu traído pela apresentadora e foi "tirar satisfação". Se esse é realmente o caso (cabe então a polícia investigar e decidir) ela não agiu errado quando se comunicou com seus fãs e expôs sua vida, porém se permitiu correr tal risco, o que não mudaria a história, pois atentados como esses não são raros, mesmo sem a internet, por se tratar de uma pessoa pública, ela estaria exposta a este risco.

Agora no caso da menina violentada por mais de três dezenas de homens, alguém acreditou que poderia postar as cenas do ato em sua rede social, como algo lícito e que merecesse ser exposto publicamente, sem se preocupar com quem iria ver, e houve também outras tantas pessoas que sentiram-se livres para compartilhar e viralizar o vídeo.
Não entro aqui no fato do estupro em si, mas na divulgação de cenas tão deprimentes, e a que ponto quem compartilhou tal vídeo é cúmplice do crime? 

E o próximo fato da Cantora gospel que utilizou sua rede social para tentar "criar uma campanha " contra uma rede de lojas, por que de acordo com o seu ponto de vista estaria influenciando ou incitando a população a um tipo de atitude ou comportamento diferente do que ela acredita ser o correto, aí me pergunto o que ela estava fazendo quando publicou sua opinião e pediu apoio dos seu seguidores, eu digo, ela estava influenciando seus fãs a irem contra uma campanha publicitária, e não só, na visão dela a campanha levantava a bandeira do homossexualismo, sendo assim incitou seus fã a irem contra isso também. Regando e fertilizando o campo do preconceito e discriminação que já está muito fértil, principalmente pelos que se dizem defensores da moral e da fé.

E com isso digo que não é e nunca foi a internet nem mesmo as redes sociais, mas a forma que a utilizamos o grande problema, não consigo ver aqui uma solução para isto, senão a educação e o respeito da massa de pessoas que a utilizam.

Encerro o texto desejando com fé em uma nação mais educada, civilizada e com respeito pelo próximo. Minha parte já comecei a fazer educando meus filhos com uma visão de amor fraterno.

Até o próximo post!
See you later!


© De tudo Fica um Pouco - 2015. Todos os direitos reservados.
Layout por: MPC Criação.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo